topo.jpg

Pastoral

A Jornada para Aprender a Confiar em Deus

Desde que Adão e Eva não confiaram em Deus e preferiram acreditar nas mentiras da serpente, temos uma dificuldade enorme para depender em Deus. A jornada cristã não consiste em mais nada do que sair da independência e autonomia e voltar a confiar plenamente em Deus.

2 Cr 14.7-13; 2 Cr 15.1-8; 2 Cr 16.1-12. Temos aqui a história do rei Asa. Ele buscou a Deus, e por isso teve paz e prosperidade por 10 anos. Aqui aprendemos que confiar em Deus não significa que devemos ficar passivos, com atitude fatalista, esperando que Deus faça tudo por nós. Ele aproveitou este período de paz e segurança para construir cidades e muros e torres e preparar seu exército.

Se você diz que confia em Deus mas não ora, é um mentiroso. A primeira ação de quem confia no Senhor é oração e isso não só em momentos de crise, mas mesmo em tempos de paz e tranquilidade. A estratégia de quem confia em Deus envolve ação humana – plantar para colher, preparar para enfrentar inimigos, tomar medidas de bom senso e que envolvem trabalho árduo e ao mesmo tempo não confiar em nada disso mas dedicar-se à oração. Atire e ore! Construa e ore! Estude e ore! Planeje e ore! Para quem não confia em Deus, não existe nada mais ridículo do que orar. Passar tempo de qualidade falando com alguém invisível? Mas para quem confia em Deus e não em si mesmo, é a atividade mais eficiente que existe!
Depois de 10 anos, porém, veio contra ele um dos maiores exércitos de que se tem notícias na Bíblia – 1.000.000 de soldados! Ele tinha apenas 580.000. O exército inimigo era quase o dobro do seu. O que ele fez diante dessa situação? 2 Cr 14.11 – Clamou ao Senhor. Qual a primeira palavra desta oração? “Ó”! As orações com “Ó” são muito mais eficazes. Oração sem paixão não muda muita coisa. Geralmente só conseguimos orar com “Ó” quando estamos desesperados. Precisamos aprender a orar com o coração, derramar toda nossa alma diante de Deus – Ó Senhor! “Ó Senhor, nada para ti é ajudar, quer o poderoso quer o de nenhuma força. Ajuda-nos, pois, ó Senhor nosso Deus,porque em ti confiamos, e no teu nome viemos contra esta multidão.
Qual foi o resultado? “E o Senhor desbaratou os etíopes diante de Asa... e caíram tantos... que já não havia neles resistência alguma; porque foram quebrantados diante do Senhor, e diante do seu exército” (2 Cr 14.12,13). Quando o Senhor está conosco faz toda a diferença. O perigo é de não reconhecermos isso. Se o Senhor estiver conosco, nossos inimigos ficarão baratinados, confundidos. A chave para isso é não confiar em nós mesmos e confiar somente Nele.
Depois deste episódio encontramos, 26 anos depois, outro inimigo vindo contra o rei Asa. Agora não é um povo estranho, os etíopes, nem uma multidão tão vasta. É o rei de Israel, seus companheiros, filhos de Abraão assim como Judá! O rei Baasa veio contra ele e queria cercar Jerusalém e impedir qualquer pessoa de entrar e sair. Este episódio nos mostra como é importante “fazer nosso dever de casa” nos tempos de paz e tranquilidade. Se você não busca a Deus regularmente, mas só o procura em tempos de angústia, você não terá recursos espirituais suficientes para a crise. O relacionamento com Deus de verdade e não só de forma religiosa sempre nos remete à dependência Nele, à humildade, ao quebrantamento, à gratidão, ao reconhecimento que tudo de bom que pudemos fazer veio Dele e não de nós mesmos. Parece que Asa não viveu assim durante estes 26 anos de paz. Como sabemos disso? Ao invés de buscar ao Senhor diante desta crise com Baasa (uma crise muito menor do que a crise com os etíopes), ele pegou a prata e o ouro da casa do Senhor e pediu a um dos seus piores inimigos, o rei da Síria, para atacar Baasa, para que este se retirasse dele. Funcionou? Sim, pois Baasa se retirou e a crise foi resolvida. Mas, diante de Deus, ficou muito mal, e o profeta Hanani veio falar com ele: “Porque confiaste no rei da Síria, e não confiaste no Senhor teu Deus, por isso o exército do rei da Síria escapou da sua mão.Porventura não foram os etíopes e os líbios um grande exército, com muitíssimos carros e cavaleiros?Confiando tu, porém, no Senhor, ele tos entregou nas mãos.Porque, quanto ao Senhor,seus olhos passam por toda a terra, para mostrar-se forte a favor daqueles cujo coração é perfeito para com ele;nisto procedeste loucamente, pois desde agora haverá guerras contra ti” (2 Cr 16.7-9).
Como prova do quanto o rei Asa havia se distanciado do Senhor, ao invés de se arrepender com as palavras do profeta, ele ficou muito irritado e prendeu o profeta na cadeia. Poucos anos depois Asa adoeceu e não confiou no Senhor mas nos médicos. Por isso morreu! Como é triste começar bem a jornada e terminar desta forma!
Mas o que interessa para nós nesta história é entender que Deus está passando seus olhos por toda a terra, o tempo todo, procurando pessoas que confiam Nele para poder mostrar-se forte para com eles. Dizem que há fundos do governo com muito dinheiro disponível para ser gasto em projetos sociais, mas como ninguém se qualifica para apresentar projetos viáveis, este dinheiro fica parado e as pessoas necessitadas continuam na miséria e no sofrimento. Agora pensemos nesta tragédia maior: Deus está ansioso para lutar nossas batalhas, para curar, libertar e acudir os necessitados. Mas Ele só precisa encontrar uma coisa – alguém que confia Nele inteiramente, e quase nunca Ele consegue achar este tipo de pessoa e o mundo continua sofrendo e o povo de Deus continua sem poder e sem solução.
Se você quer se candidatar a estes recursos sobrenaturais, precisa aprender a confiar em Deus. Esta jornada começa com a atitude de desconfiar totalmente em si mesmo e nos recursos naturais e passar a confiar inteiramente em Deus. À medida que você começa a caminhar, perceberá que a oração será sua atividade principal.
Em segundo lugar, verá que é impossível aprender a confiar se tomar a posição de observador, de plateia, de exigir que se tenha todos os dados em mãos, toda a informação necessária, antes de tomar um passo de risco. Quem fica no barco, na zona de conforto, nunca aprenderá a confiar. Somente quem se arrisca, quem obedece a voz de Deus prontamente, mesmo em atitudes pequenas e aparentemente insignificantes, avançará nesta jornada. Abraão partiu para uma terra que Deus ainda iria mostrá-lo. Se Deus não aparecesse novamente, ele seria o maior tolo que existiu. Ele abandonou tudo que conhecia e que lhe trazia segurança para procurar algo que não sabia. Sua única segurança passou a ser Deus e Sua fidelidade. Assim também nós precisamos aprender a confiar na voz de Deus, obedecer, e depois esperar instruções sobre os próximos passos. Não espere uma crise externa para começar a confiar em Deus. Crie suas próprias crises! Saia de sua zona de conforto! Aprenda a assumir riscos em cima da palavra de Deus! Esta é a única jornada que vale a pena nesta vida. E se, por acaso, você errar, se orgulhando ou resolvendo as coisas com a sabedoria humana (criando piores crises futuras, como foi o caso do rei Asa), quando Deus, com sua misericórdia, te enviar um profeta, uma repreensão, procure humilhar-se e arrepender e agradecer ao mensageiro de Deus. Você verá que Deus é maravilhosamente misericordioso e até seus erros transformará em bênçãos! Louvado seja o seu glorioso nome!
Escrito por Harold Walker